Fale Conosco
:: Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
English | Português You Tube RSS Facebook Twitter
A A A







Valid XHTML 1.0 Strict  CSS válido!

Notícias

Compartilhe:
Satélite científico EQUARS contribuirá para o monitoramento do clima espacial
Quinta-feira, 31 de Agosto de 2017

Especialistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) concluíram com sucesso as avaliações preliminares da missão EQUARS (Equatorial Atmosphere Research Satellite), que tem expectativa de lançamento para 2020. O objetivo é promover avanços científicos em Aeronomia Equatorial, com ênfase no entendimento dos fenômenos físicos que perturbam o comportamento do plasma ionosférico.

A atmosfera equatorial tem um efeito significativo sobre o balanço energético do planeta e o satélite EQUARS deve trazer importantes resultados para o Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (Embrace) do INPE.

A missão investigará processos de acoplamento entre a baixa e a alta atmosfera equatorial que atuam na formação de bolhas ionosféricas, fenômeno que pode interferir em diversas atividades tecnológicas, principalmente nas áreas de telecomunicações e de navegação por satélites.

Junto à Agência Espacial Brasileira (AEB), o INPE realizou neste mês de agosto a Revisão de Definição da Missão (MDR, na sigla em inglês), que representa o final da primeira fase de uma missão espacial, conhecida como Fase 0, para avaliação e especificação preliminar de requisitos do EQUARS.

“A equipe de trabalho do EQUARS foi criada em agosto de 2016 e nos últimos meses se dedicou às atividades da Fase 0, que apontaram para o desenvolvimento de um microssatélite em órbita equatorial que levará a bordo cinco instrumentos científicos – GLOW, GROM, IONEX, ELISA e APEX. Como resultado da MDR, recebemos o aval para a continuidade do desenvolvimento do projeto, dando início às atividades condizentes com a Fase A”, informa Leandro Toss Hoffmann, tecnologista da Coordenação de Engenharia e Tecnologia Espaciais do INPE que gerencia a missão.

No Instituto, a missão EQUARS também envolve a Coordenação de Ciências Espaciais e Atmosféricas, Laboratórios Associados, o Centro de Rastreio e Controle e o Laboratório de Integração e Testes.

GLOW

O instrumento GLOW é um fotômetro para registro de emissões de aeroluminescência (airglow) de constituintes fotoquímicos presentes na alta atmosfera terrestre. Possui quatro canais de fotodetecção para medir o fluxo de radiação em regiões espectrais distintas. A avaliação deste fluxo serve a estudos de propagação de modos de ondas atmosféricas e da morfologia e dinâmica das bolhas de plasma.

GROM

Receptor sofisticado de sinais GPS, o GROM emprega a técnica de Rádio Ocultação (RO) para estudos meteorológicos, atmosféricos e de clima espacial. Sua base de dados serve ao entendimento dos processos físicos de acoplamento entre a baixa e a alta atmosfera. Possui vasto potencial de aplicação, que vai desde o monitoramento da resposta ionosférica aos eventos de tempestade magnética solar, até como insumo ao aperfeiçoamento de modelos prognósticos de mudanças climáticas globais.

IONEX

O instrumento IONEX consiste em um conjunto de sensores ionosféricos: HFC (sonda capacitiva de alta frequência), LP (sonda de Langmuir) e ETP (sonda de temperatura dos elétrons). Quando os dados destes sensores são combinados, permite-se a investigação da estrutura e eletrodinâmica associada ao plasma ionosférico e das instabilidades magneto-hidrodinâmicas, que originam as bolhas de plasma ionosféricas.

ELISA

O instrumento ELISA (Electrostatic Energy Analyzer) foi concebido para medir o fluxo e o espectro de energias dos elétrons na faixa de 1 a 30 keV. Os dados resultantes permitem investigar a precipitação de elétrons na Anomalia Magnética do Atlântico Sul, seus efeitos na alta atmosfera e, ainda, o processo de interação feixe-plasma na ionosfera equatorial e a distribuição espectral das energias dos elétrons presentes no ambiente espacial.

APEX

O APEX (monitor of Alpha, Proton and ElectronfluXes) é um detector de partículas energéticas para estudos de geofísica espacial. Com o monitoramento contínuo do fluxo de partículas, irá gerar uma base de dados para a modelagem do ambiente na magnetosfera interna. O instrumento é especialmente adaptado para monitorar os eventos de elétrons relativísticos frequentemente esperados durante os períodos de atividade solar mínima.


Compartilhe:
Busca Notícias



Links Relacionados
Número 08
Informativo INPE
05 de Janeiro de 2017