:: Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
A A A

CRIOSFERA 1 - O futuro das medidas para o estudo da atmosfera Antrtica.

Figura 1. Vista Frontal Criosfera 1 (Foto fornecida por Marcelo Sampaio - INPE).

Figura 1. Vista Frontal do mdulo Criosfera 1 (Foto: Marcelo Sampaio - INPE).


A possibilidade de acompanhar as variaes dos parametros atmosfricos de forma ininterrupta um fator chave para melhor entender as mudanas climticas na Antrtica. Atualmente existem diversas estaes cientficas onde so realizadas medidas dos parmetros fisioqumicos e meteorolgicos durante o inverno e o vero, entretanto, a maioria destas estaes est localizada na borda do continente Antrtico.

No vero 2011/2012, o mdulo de pesquisas Criosfera 1(Figura 1) foi instalado no centro-oeste do continente antrtico nas coordenadas 84,00 S; 79,30 e elevao 1200 m. Apenas como termo de comparao, este ponto geogrfico esta localizado a aproximadamente a 2500 Km ao sul da Estao Antrtica Brasileira Comandante Ferraz e a 670 Km do polo sul geogrfico.

O Criosfera 1(Figura 2) se encontra em operao desde o dia de sua inaugurao 12 de janeiro de 2012. Esta nova plataforma cientfica usa apenas o sol e o vento para suprir a energia necessria aos equipamentos de pesquisa atmosfrica, instrumentao meteorolgica, assim como aos sistemas de armazenamento e de transmisso de dados.

Figura 2. Vista Traseira Criosfera 1 (Foto fornecida por Heber Reis Passos - INPE).

Figura 2. Vista Traseira do mdulo Criosfera 1 (Foto: Heber Reis Passos - INPE).


A instrumentao meteorolgica realiza medidas do valor da temperatura do ar, velocidade e direo de vento, umidade relativa, presso atmosfrica e irradiao solar total. So medidas ainda a concentrao de dixido de carbono no ar e a deposio de neve local. Os dados de temperatura interna do mdulo, temperatura junto aos equipamentos e de corrente dos painis solares e geradores elicos so tambm medidos e enviados pelo link de satlite por meio do sistema ARGOS.

Os dados destas medidas so acumulados em um datalogger em alta resoluo e seus valores mdios so enviados a cada hora pelo satlite. realizada tambm uma amostragem de aerossis por meio de um sistema de integrao mensal que utiliza filtros do tipo Nuclepore Track-Etch Membrane com porosidade de 0,4 m. Esta amostragem tem como objetivo a anlise da composio elementar e inica dos aerossis.

Para gerao de energia, o Criosfera 1 utiliza quatro turbinas com capacidade de 160 Watts cada (velocidade de vento de 12,5 m.s-1) e quatro painis solares com capacidade de 1000 W.m-2 a 25C. A energia gerada armazenada em uma unidade de baterias chumbo-cidas do tipo AGM de 8 kW-hora. Durante o inverno este banco de baterias consegue manter toda instrumentao por um perodo de at quatro dias sem vento.

Entidades Participantes:

  • INPE
  • UERJ
  • UFRGS
  • PROANTAR e INCT da Criosfera
  • CNPq

Adicionalmente, as informaes coletadas neste projeto contribuiro para:

  1. Entender o papel do Oceano Austral nos fluxos de calor no equilbrio de gua doce do planeta;
  2. Estudar e avaliar a estabilidade da circulao do Oceano Austral;
  3. O papel do oceano na estabilidade do manto de gelo antrtico e sua contribuio para o aumento do nvel do mar;
  4. O futuro da Antrtica do gelo martimo; e,
  5. Os impactos das mudanas globais sobre os ecossistemas do Oceano Austral.

Contato INPE:

Dr. Marcelo Sampaio - GEOMA/DGE
Fone: +55 12 3208 6751
E-mail: marcelo.sampaio@dge.inpe.br

Coordenador do Projeto:

Dr. Heitor Evangelista da Silva UERJ/LARAMG
Fone: +55 21 2334 0133
E-mail: evangelista.uerj@gmail.com

Equipe

  • Dr. Heitor Evangelista da Silva UERJ/LARAMG
  • Dr. Marcelo Sampaio INPE/GEOMA/DGE
  • Dr. Alexandre Santos Alencar - UERJ/LARAMG
  • Dr. Mrcio Cataldo - UERJ/LARAMG
  • Tcnico Heber Reis Passos INPE/DSA

O Papel dos Aerossis nos Processos Biogeoqumicos e nas Alteraes Climticas no Trecho Atlntico Sul Pennsula Antrtica. Edital MCT/CNPq n 23/2009 PROANTAR (Processo n 556971/2009-4).